sexta-feira, 28 de março de 2008

Diz quem ouviu, ali nas redondezas, que o tiroteio foi tão grande, e que a laje do jazigo se estilhaçou com tal força, que o fumo se elevou no ar durante horas. E que, na madrugada seguinte, depois de ventos tempestuosos, as hortênsias eram de um azul poético, "dos rocios da noite inda orvalhadas".

5 comentários:

Renata Correia Botelho disse...

Hasta siempre!

Maria das Mercês disse...

Eu não me conformo. E vou fazer uma manif.

rita disse...

ohhhh... :(

johnsilva disse...

E eu à espera que, partida a tampa, Antero regressasse à vida para me dar uma sova por ter tido ideia tão estouvada.

Susana disse...

Minha querida Renata, só te consigo perdoar a desistência se arranjares modo de te continuar a ler com regularidade! Habituei-me à tua superior prosa e dela agora não consigo prescindir...
Desenrasca-te mulhé!
E vamos ficar muito muito coxinhos sem ti, oh paciência!