segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Qual é o animal que levanta, sacode, segura e segue a cauda da fêmea, com desvelo enternecedor? É vê-lo cuidando das condições de higiene e de beleza que ela apresenta, limpando-a das pétalas murchas, das folhas secas e dos ramos partidos que se prendem aos seus pêlos e fibras (alguns naturais, outros não), alisando-a, esticando-a, puxando-a para si, dispondo-a sobre a relva, fazendo-a deslizar nas suas patinhas peludas, observando- -a embevecido, e logo nos sentimos igualmente enternecidos pelo quadro que tais afazeres nos proporcionam. Então se o cenário é contemplado num sábado ou domingo soalheiros - oh, bênção suprema! - maior é o nosso deleite, rapidamente percebido pelo casal, que gosta de sentir o seu valor apreciado, e que se multiplica em atenções redobradas com a dita cauda, no que é secundado por outros machos e fêmeas, se os houver por perto, todos unidos pelo mesmo código de honra, que os obriga a não permitir que a terra seca, a erva molhada, a areia húmida ou até o simples ar limpo, pousado no chão sujo, contaminem com a sua existência imperfeita um apêndice que representa, na sua cor esplendorosa e dimensões generosas, não a extremidade traseira do corpo, mas a condição moral de uma espécie de seres vivos cuja missão principal no planeta consiste em levantar, sacudir, segurar e seguir as belas caudas das suas fêmeas. Este é um ritual que assinala o início oficial do acasalamento e que, segundo alguns estudos, continua ao longo da vida, mesmo quando a cauda, acompanhando o processo de envelhecimento do resto do corpo, vai ficando pequena, murcha, enrugada e rala.

11 comentários:

Mário disse...

very well

Vitor Marques disse...

Bem vindos.
Já agora, qual é o animal?

Vitor Marques disse...

ókapa, já percebi.

leonor disse...

Vítor, o menino não seja apressado. Espere pelo fim da história e usufrua do prazer das voltas que isto der.

antonieta disse...

Aqui está o insólito animal do texto da Lô.Realmente é uma grande verdade,que gente apressada não tem prazer.
Parabéns pois irás ser uma mais valia na blogoesfera.
Muschi

Vitor Marques disse...

vocês não explicaram...

leonor disse...

para a Muschi: obrigada por me compreenderes, amiga!
para o Vítor: mea culpa, mea culpa! Passo a explicar: cada um de nós escreve num certo dia da semana e continua o texto iniciado pelo(s) anterior(es). Todas as semanas um conto será inciado e terminado por quem o iniciou. Calhou-me ser a segunda-feira, por razões exclusivamente alfabéticas e, na próxima segunda-feira, terminarei o conto que iniciei. A Maria inciará outro na terça-feira, ao qual dará fim na terça-feira seguinte, e assim sucessivamente, até nos irritarmos uns com os outros. Habeas corpus... insolitus?

ezequiel disse...

Belíssima ideia. Vai valer a pena seguir este drama. :)

Vitor Marques disse...

Leonor, não sou grande adepto de folhetins nem seriados mas tentarei usufruir, sem pressas, do prazer das voltas que isto der.

Maria das Mercês Pacheco disse...

agora a trama ainda se adensa mais... desafio-vos a não perder uma linha!

Mário disse...

Maria, isso promete. Boa continuidade, sim senhor