terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Gosto de ver os aviões passarem por cima de mim. Acompanho-os desde que irrompem das glicínias que se enroscam nas flechas das grades do muro nascente e até que se esfumam para lá das águas-furtadas do Bloco D.
Gosto de lhes seguir os rastos, nuvens de vento, baforadas de cirros. Quase que os cheiro.
Gosto de lhes adivinhar as rotas. Um lápis magenta para o traçado transatlântico, um lápis negro para os destinos domésticos.
E cortam-me em diagonal, umas vezes esmagando-me contra o almofadado da relva, outras sugando-me para além do recorte da Lua. Depende do dia em que estou.
Um dos enfermeiros até já se ri, os músculos palpitando contra o tecido da bata, a face em grande angular, o corpo uma auréola de luz:
— Era hoje que ias num daqueles, companheiro…
Eles até são simpáticos comigo. Mesmo com os músculos a palpitar contra a bata. Mesmo quando repito que estou inocente.
Não gostam é quando tento fugir.

10 comentários:

Renata Correia Botelho disse...

Maria, isto começa bem, muito bem...

leonor disse...

Eu diria mais: isto começa bem, muito bem...

Gostei da linguagem gráfica, da ambiguidade e da leve sugestão de uma dor latente.

Maria das Mercês disse...

Minhazz amigazz, oh minhazz amigazz... Mário, agora és tu! estou em pulgas para ver o que vem a seguir! Isto dos blogs é muito engraçado!

Susana disse...

Suculento, sumarento, surpreendente.
Supimpa, diria mesmo!
Maria, isto tem músculo para andar... E o Mário tem perna.
O corpo insólito é tal qual uma prova de estafeta.

Nuno Costa Santos disse...

Belo início. Registo, como a Leonor, a linguagem gráfica - rica, sugestiva. Até já.

JNAS disse...

Acho que isto começa mesmo mal. Um postal destes tendo por precedência o sublime epílogo da Lô é assim tipo...anticlímax. Ele há dias assim.
JNAS

Maria das Mercês disse...

Hoje é dia de um novo conto, JN, por isso não poderia nunca continuar - ou sequer comparar-se! - ao belíssimo (repito o meu próprio adjectivo) texto da Leonor. E eu sou eu. Mas nem tudo está perdido, JN! Outros dias virão!

Vitor Marques disse...

tou expectante...

Mário disse...

ai

jupiter disse...

Oh, JNAS, o que é que você tem contra essa Maria das Mercês? Dormiu com o seu marido? Dormiu com a sua mulher? Não quis dormir consigo? Terá você uma vaga dor de cotovelo por não estar incluído/a neste rol dos 7 magníficos? Se tem, eu compreendo. Tome uma aspirina, a ver se passa ou então ponha em gelo. Vila Real segue atentamente estes corpos insólitos e respectivos comentários. Força!